segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A Quaresma e a tristeza divina

Rubem Alves

Domingo, 10 de fevereiro de 2013 - 12h36min

"Porque a tristeza de Deus produz mudança... mas a tristeza do mundo produz morte." II Co 7:10

As quaresmeiras aí estão. Flores de fevereiro e março, anunciando que nem só de cores brancas e verdes vive a alma humana, mas também de lilases e roxas. Nem só de alegrias, mas também de tristezas. A propósito, não é tarefa das mais fáceis empreender um "dedo de prosa", mínimo que seja, sobre o tema da tristeza. Houve tempos em que a tristeza era prima irmã da poesia, da musica, da vida. Pode-se dizer, com o testemunho de um bom numero de musicas que ainda hoje cantamos, que a tristeza sempre foi a matéria primado fazer poético. Quem nunca cantou: "Tristeza, por favor vai embora, minha alma que chora, está vendo o seu fim....". Ou ainda: "Cantando eu mando a tristeza embora..." Mais: "Triste madrugada foi aquela em que perdi meu violão..."

Essas músicas testemunham um tempo em que a experiência da alegria e da beleza só eram possíveis a partir do reconhecimento de uma certa tristeza nas pautas musicais da existência. Os tempos hoje são outros. Num projeto de vida em que as pessoas são tidas como máquinas, qualquer sombra de melancolia, de tristeza, de dor, deve ser abolida. Por uma simples razão: máquina não sente dor! Aos saudosos e melancólicos do presente, resta-lhes apenas o afogar-se nos remédios. É assim que lidamos com nossas tristezas: afogando-nos nos compridos.

O trecho da tradição bíblica que está em epígrafe acima faz referência à tristeza segundo Deus. Dorothee Sölle assim o interpretou: A presença divina nunca é presença observadora: a presença divina é sempre dor ou alegria de Deus. Mas, o que distingue a tristeza divina das tristezas do mundo? pergunta o apóstolo dos gentios. Tristeza do mundo é tristeza que gira em torno de si mesma, patina sem sair do lugar. É tristeza que paralisa no remorso, na lástima, no mórbido ruminar as faltas passadas, na lamuria sem fim. Nada se transforma, nada se metamorfoseia, nada muda. É tristeza que não conhece a esperança, o futuro, por estar afogada no passado. É Tristeza que mata, que corrói, que faz adoecer.

Como exemplo, atente-se às tristezas próprias do mundo da aparência: a anorexia, a bulimia, sofrimento de um corpo que morre para parecer belo. Ou a tristeza do consumo: esse mal-estar diabólico que leva do nada a lugar nenhum. A tristeza da guerra, da destruição que faz morrer a palavra e perpetua o ódio.

A tristeza segundo Deus, porém, produz mudança, movimento, superação, transformação, produz vida. É tristeza que não patina nas culpas, mas avança na responsabilidade. Tristeza de parturiente, que traz a esperança e o futuro no ventre. É tristeza que gera a sagrada ira, a santa indignação, o grito, a libertação. Sem a participação na tristeza divina, o domingo da ressurreição não passa de oba-oba. Que as quaresmeiras e os ipês roxos, também próprios do tempo quaresmal, nos convidem a participar da tristeza segundo Deus, aquela que verdadeiramente nos conduz à mudança, ao arrependimento, à transformação."

-------------------------------------------------------------------

Esse texto acima me chegou via Internet. A pessoa que o escreveu é um jovem, amigo, pastor de uma Igreja Presbiteriana no Rio de Janeiro, Edson Fernando de Almeida. . Imagino que essa tenha sido a essência de uma meditação que ele ofereceu aos seus fiéis: pouquíssimas palavras, todas elas necessárias. Sabedoria e beleza. Alegra-me saber que as palavras de Deus ainda podem ser ouvidas saindo da boca dos poetas. Eu teria alegria em me assentar nos bancos da igreja do Edson para ouvir sua palavra mansa. As coisas que ele fala ou, quem sabe, as coisas que o Espírito fala através dele, põem beleza na minha tristeza. E a tristeza, quando é bela, se transforma em vinho que dá leveza ao coração. Me alegrarei ao ver as quaresmeiras floridas...

- E por falar em tristeza, com autorização do Edson, lembro o Jobim: "Assim como o oceano só é belo com o luar, assim como a canção só tem razão se se cantar, assim como uma nuvem só acontece se chover, assim como o poeta só é grande se sofrer..." A poesia é o triunfo sobre o sofrimento. Lembro também a Adélia Prado: "Minha mãe me dava o peito e eu escutava, / o ouvido colado à fonte dos meus suspiros: / "Ó meu Deus, meu Jesus, misericórdia". / Comia leite e culpa de estar alegre quando fico./ Se ficasse na roça ia ser carpideira, puxadeira de terço, / cantadeira, o que na vida é beleza sem esfuziamentos, / as tristezas maravilhosas. Mas eu vim pra cidade fazer versos tão tristes /que dão gosto, meu Jesus misericórdia. / Por prazer da tristeza eu vivo alegre." " Cantiga triste, pode com ela / é quem não perdeu alegria."

- Manhã de sábado, aqueles jovens em vestes cor marrom, seres de um outro mundo, quem sabe anjos descidos à terra, sorridentes, nos semáforos, falavam aos homens comuns entrincheirados nos seus carros, apressados, e pediam que os ajudassem no seu trabalho: ajudar os pobres das nossas ruas. Anjos da "Toca de Assis", nascida há 10 anos, em Campinas. Têm 6 casas. Num texto bíblico uma mulher disse a Jesus que ela ficaria feliz se pudesse comer das migalhas que caem da mesa dos que se banqueteiam. As migalhas que caem da mesa...Acontece comigo. Acho que acontece com todo mundo. A gente vai ajuntando coisas e mais coisas, coisas que nunca serão usadas. Para nós, migalhas que nunca serão comida. Para os pobres são comida, proteção, calor, vida... Já comecei a abrir gavetas e armários em busca de migalhas... Já fiz uma pilha de camisetas.

- Acho que deveria haver alguma lei que proibisse que as pessoas falassem palavras de consolo àqueles que choram a morte de uma pessoa querida nos velórios. Porque parece que os velórios têm o poder de emburrecer a inteligência, razão porque as pessoas se põem a dizer asnices. Abraçando, com ar grave, o marido que chora a morte da esposa: "É preciso ser forte"! Mas será que o marido deseja ser forte naquele momento? Será que o seu desejo não é entregar-se ao seu choro, coisa que ele é impedido de fazer por ter que dar atenção aos impertinentes? De que serve tal conselho? Palavras ditas a uma mãe que chora a morte do filho pequeno: "Deus também precisa de anjinhos no céu..." Se Deus precisa de anjinhos no céu e é todo poderoso, não seria melhor que ele, com o seu poder, fizesse quantos anjinhos quisesse, sem matar os filhos dos indefesos mortais? Matar os filhos dos mortais por interesse próprio, eu acho, não é prova de amor. Olhando o rosto do defunto: "Veja como ele está tranquilo..." Mas é claro. Tem de estar tranquilo. Está morto. "Deus sempre faz o melhor..." Se Deus sempre faz o melhor então os velórios deveriam ser lugar de risos e danças. Mas, cá comigo: se isso é o que Deus tem de melhor a fazer, então é melhor ficar longe dele. Acho que diante do mistério da morte e de uma pessoa que sofre só cabe o silêncio.

- Eu dirigia devagar, não queria chegar, a tarde era fresca, céu azul, brisa de outono, ouvia o CD da Anne Sofie von Otter, cantora maravilhosa, foi-me invadindo uma sensação nostálgica, saudade pura, sem objeto. A saudade, normalmente, é saudade de alguma coisa, de alguém, de uma casa, de um lugar. Mas, por vezes, é só o sentimento puro, sem objeto. Você nunca sentiu isso, a memória só de um sentimento, sem saber a que ele pertence? Sabia que eram sentimentos de outros tempos, de outros lugares, tudo muito bonito. Tive então uma idéia meio louca. Quando as pessoas ficam velhas é comum que elas percam a memória. Para isso há explicações bioquímicas e neurológicas. Mas eu pensei se a explicação não poderia ser outra. Que os bioquímicos se ponham a fazer o seu trabalho de esquecimento atendendo a um pedido da alma que não suporta mais a saudade. Esquecemo-nos para nos curar da saudade. "Toda saudade é uma espécie de velhice", dizia o Riobaldo. O que mais dói na velhice não são as juntas; é a saudade. E assim vamos, de esquecimento em esquecimento, até chegarmos ao esquecimento definitivo...

- Relatado por minha amiga Tomiko, de uma conversa com um menininhho. "Como é que você se chama?" "Francisco." "Só Francisco, não tem outro nome?" "Sim, eu tenho outro nome. Meu outro nome é Deus." "Deus? Mas que fantástico! Como é que você se sente quando é Deus?" "Quando o meu nome é Deus eu fico todo alegria!"

- Aforismo, não sei de quem: "A morte é bela. O que atrapalha é o defunto."

- Comovo-me ao ver as casas antigas, espremidas entre os edifícios. São como bois nos matadouros. Estão à espera do sacrifício. ( Ao re-ler esse texto percebi que cometi um lapso freudiano. Meus dedos escreveram o que eu não queria escrever. Ao invés de "estão" meus dedos escreveram "estou". Maldito Freud! ). Comovo-me pensando que houve um tempo em que aquela casa era o sonho, quem sabe de um casal. Conversavam, marido e mulher, fazendo planos. Seriam muito felizes. Plantariam flores no jardim. Hoje, as casas estão abandonadas, vazias. No caminho para Pocinhos passo sempre numa entrada onde está escrito "Sítio do Vovô". O vovô sonhou com os netos brincando no seu sítio. Tudo seria alegria. Veio depois a descoberta de que os netos tinham outras idéias. E essas outras idéias não previam passar os fins de semana no "sítio do vovô".

http://www.cebi.org.br/noticia.php?secaoId=8&noticiaId=388

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para mim... Caso você não tenha uma conta do Google e fizer seu comentário de forma anônima, não esqueça de deixar seu nome e seu e-mail para que eu possa entrar em contato com você!

PAZ & BEM!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...