quarta-feira, 12 de março de 2014

“Fraternidade sim, racismo não!”, dom Gilio Felicio escreve artigo em nome do Regional Sul 3 da CNBB

dom_gilio_felicioNesse domingo 09/03, dom Gilio Felicio, bispo de Bagé e bispo referencial da Pastoral Afro-brasileira pelo RS3, escreveu um artigo em que se manifesta sobre o racismo patente de fatos dos últimos dias. Intitulado “Fraternidade sim, racismo não!”, o artigo propõe uma reflexão a respeito da prática criminosa e representa a opinião dos 34 bispos que compõem a CNBB Sul 3 e apoiaram a inciativa.
Conforme aponta dom Gilio, o racismo segue vivo, violento e “presente não apenas em estádios de futebol, mas também em tantos outros espaços sociais, culturais e até religiosos”. O bispo cita o Documento de Aparecida, de maio de 2007, onde a Igreja Católica “denuncia a prática da discriminação e do racismo em suas diferentes expressões, pois ofende no mais profundo a dignidade humana criada à imagem e semelhança de Deus”.
Além de lembrar as palavras do Bem-aventurado Papa João Paulo II, que em nome da Igreja Católica pediu “perdão a Deus, por algumas ações equivocadas ou algumas omissões em sua missão pastoral junto à população negra”, dom Gilio Felicio destaca o exemplo do Papa Francisco. “Rezemos uns pelos outros para que haja uma grande fraternidade”, ele cita o Sumo Pontífice a respeito do racismo que deveria ser desativado para sempre, a fim de acabar com “o motor principal da cultura de morte”.
Leia o artigo completo:

Fraternidade sim, racismo não!

Não faz muito tempo, numa roda de amigos, alguém disse: “O racismo já era. A sociedade já superou esse pecado. Vejam! Aqui estamos desfrutando a riqueza da amizade com a diversidade dos tons de nossa epiderme e de nossa etnia”. Lamentavelmente, a afirmação entusiástica do amigo se defronta, em nossos dias, com um racismo vivo e violento. Presente não apenas em estádios de futebol, mas também em tantos outros espaços sociais, culturais e até religiosos.
À revelia dos princípios de igualdade, reconhecidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e nos propósitos e compromissos da III Conferência Mundial Contra o Racismo (promovida pela ONU, em Durban na África do Sul, em 2001), a discriminação racial, a xenofobia e intolerância correlatas, o racismo continua ferindo, e em muitos lugares desprezando, traficando e matando seres humanos, “imagem e semelhança de Deus”. As pessoas de bem, os religiosos, as lideranças responsáveis pelo bem comum, não podem ficar de braços cruzados ou de olhos vedados. O racismo, crime “lesa-humanidade”, está vivo. Negros e negras são os mais atingidos por essa violência.
A maneira perversa do racismo brasileiro torna invisível uma inaudível população de cerca de 80 milhões de brasileiros. É um fenômeno no mundo contemporâneo. Os interesses do povo afro-brasileiro são escamoteados e a impressão superficial que se tem da sociedade brasileira é a de que, em matéria de convívio interétnico, o Brasil é exemplo para o mundo.
O Documento de Aparecida, elaborado em maio de 2007, na V Conferência Episcopal Latino-americana e Caribenha, continua atual quando afirma: “A história dos afro-americanos tem sido atravessada por uma exclusão social, econômica, política e, sobretudo, racial, onde a identidade étnica é fator de subordinação social. Muitos são discriminados na inserção do trabalho, na qualidade e conteúdo da formação escolar, nas relações cotidianas e, além disso, existe um processo de ocultamento sistemático de seus valores, história, cultura e expressões religiosas. Permanece, em alguns casos, uma mentalidade e um certo olhar de menor respeito em relação aos afro-americanos. Desse modo, descolonizar as mentes, o conhecimento, recuperar a memória histórica, fortalecer os espaços e relacionamentos interculturais, são condições para a afirmação da plena cidadania destes povos”.
A Igreja Católica − que, como lembrou o Bem-aventurado Papa João Paulo II, pede perdão a Deus, por algumas ações equivocadas ou algumas omissões em sua missão pastoral junto à população negra − “denuncia a prática da discriminação e do racismo em suas diferentes expressões, pois ofende no mais profundo a dignidade humana criada à imagem e semelhança de Deus”. (cf. Documento de Aparecida, 533).
Nos dias de hoje, a família das nações precisa de um concertado programa de ação para abordar a questão do racismo e desativá-lo para sempre. Pois, ele é o motor principal da cultura de morte, presente em nossa sociedade. “Rezemos uns pelos outros para que haja uma grande fraternidade” (Papa Francisco).

Dom Gilio Felicio
Bispo de Bagé

CNBB Sul 3

(FONTE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para mim... Caso você não tenha uma conta do Google e fizer seu comentário de forma anônima, não esqueça de deixar seu nome e seu e-mail para que eu possa entrar em contato com você!

PAZ & BEM!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...