Quem é o Papa Francisco?


No dia 13 de março de 2013 o Cardeal Jorge Mario Bergoglio foi anunciado Papa da Igreja Católica. Ele escolheu o nome Francisco.
Escolheu o nome do santo de Assis com a ajuda do Cardeal brasileiro, dom Cláudio Hummes.
No momento que a votação começava a dar sinais de que seria eleito Papa, dom Cláudio Hummes, disse: “Não se esqueça dos pobres”. 
O então, Cardeal Bergoglio, guardou no coração a palavra do amigo brasileiro e tomou para si o nome de Francisco.

A trajetória

O Papa Francisco nasceu em Buenos Aires na Argentina no dia 17 de dezembro de 1936.
Assumiu a missão de Papa da Igreja Católica aos 76 anos.
É o primeiro Papa latino-americano.
É sacerdote da Companhia de Jesus, conhecidos como Jesuítas.
Desde 1998, ocupava a função de arcebispo de Buenos Aires.
Estudou e se diplomou como técnico químico.
Ingressou no seminário de Villa Devoto e em 11 de março de 1958 e começou o noviciado na Ordem dos Jesuítas.
Em 1960, obteve a licenciatura em Filosofia no Colégio Máximo São José, em San Miguel. De 1967 a 1970 cursou Teologia no Colégio Máximo de San Miguel.
Foi ordenado sacerdote no dia 13 de dezembro de 1969, pelas mãos de Dom Ramón José Castellano.
Foi ordenado bispo no dia 27 de junho de 1992, pelas mãos de dom Antonio Quarracino, dom Mario José Serra e dom Eduardo Vicente Mirás.
Foi criado cardeal no consistório de 21 de fevereiro de 2001, presidido por João Paulo II, recebendo o título de cardeal-presbítero de São Roberto Bellarmino.
Na Santa Sé ocupou diversos cargos. Membro da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, da Congregação para o Clero, da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica; do Pontifício Conselho para a Família e da Pontifícia Comissão para a América Latina.
O Papa Francisco é um homem de hábitos comuns e de imenso apreço pelos pobres.
Ao falar sobre a escolha do seu nome enfatizou que queria uma “Igreja pobre e para os pobres!”
“(…) Francisco é o homem da paz. E assim surgiu o nome no meu coração: Francisco de Assis. Para mim, é o homem da pobreza, o homem da paz, o homem que ama e preserva a criação; neste tempo, também a nossa relação com a criação não é muito boa, pois não? [Francisco] é o homem que nos dá este espírito de paz, o homem pobre… Ah, como eu queria uma Igreja pobre e para os pobres!”.
Ao assumir o Ministério Petrino no dia 19 de março de 2013, dia da solenidade de São José, Patrono da Igreja Universal, disse que o Papa está a serviço dos pobres e mais humildes.
“Hoje, juntamente com a festa de São José, celebramos o início do ministério do novo Bispo de Roma, Sucessor de Pedro, que inclui também um poder. É certo que Jesus Cristo deu um poder a Pedro, mas de que poder se trata? À tríplice pergunta de Jesus a Pedro sobre o amor, segue-se o tríplice convite: apascenta os meus cordeiros, apascenta as minhas ovelhas. Não esqueçamos jamais que o verdadeiro poder é o serviço, e que o próprio Papa, para exercer o poder, deve entrar sempre mais naquele serviço que tem o seu vértice luminoso na Cruz; deve olhar para o serviço humilde, concreto, rico de fé, de São José e, como ele, abrir os braços para guardar todo o Povo de Deus e acolher, com afeto e ternura, a humanidade inteira, especialmente os mais pobres, os mais fracos, os mais pequeninos”.

O Brasão do Papa Francisco
O Papa Francisco já tinha um escudo anterior, utilizado desde sua consagração episcopal. No escudo Papal, ele decidiu manter os símbolos essenciais.
No site da Santa Sé uma explicação esclarece a história e a simbologia que está contida nos brasões pontifícios.
“Desde os tempos medievais, os brasões tornaram-se de uso comum para os guerreiros e para a nobreza, e por conseguinte foi-se desenvolvendo uma linguagem bem articulada que regula e descreve a heráldica civil. Paralelamente, também para o clero se formou uma heráldica eclesiástica. Ela segue as regras da civil para a composição e a definição do escudo, mas coloca em redor símbolos de insígnias de carácter eclesiástico e religioso, segundo os graus da Ordem sacra, da jurisdição e da dignidade. É tradição, pelo menos de há oito séculos para cá, que também os Papas tenham um seu brasão pessoal, além dos simbolismos próprios da Sé Apostólica. Particularmente no Renascimento e nos séculos seguintes, era costume decorar com o brasão do Sumo Pontífice felizmente reinante todas as principais obras por ele executadas. Brasões papais aparecem de fato nas obras de arquitetura, em publicações, em decretos e documentos de vários tipos. 
Com frequência os Papas adotavam o escudo da própria família, se existia, ou então compunham um escudo com simbolismos que indicavam um próprio ideal de vida, ou uma referência a fatos ou experiências passadas, ou a elementos relacionados com um próprio programa de pontificado. Por vezes acrescentavam algumas variantes ao escudo que tinham adotado como Bispos. (…) Um brasão é composto por um escudo que tem alguns símbolos significativos e é circundado por elementos, que indicam a dignidade, o grau, o título, a jurisdição, etc”.
O Brasão do Papa Francisco 
O brasão do Papa Francisco contém a mensagem ‘Miserando atque eligendo’, que significa ‘Com misericórdia o chamou’.
Do escudo utilizado desde que era bispo, o brasão Papal foi enriquecido com alguns símbolos.
O escudo azul é coberto por símbolos da dignidade pontifícia: mitra posicionada entre chaves de ouro e prata entrecruzadas, unidas por um cordão vermelho.
O logotipo da ordem religiosa que pertence o Papa, a Companhia de Jesus, aparece em destaque no alto do escudo.
“O logotipo da ordem é composto de um sol radiante e flamejante carregado com as letras, em vermelho, IHS, monograma de Cristo. A letra H é coberta por uma cruz em ponta e três pregos em preto”,  cita nota da Rádio Vaticano. 
IHS é a abreviação do nome de Jesus em grego ou da escrita latina do nome como se usava na Idade Média: Ihesus (veja informação no site dos Jesuítas).
“Abaixo, encontram-se a estrela e a flor de nardo. A estrela, de acordo com a antiga tradição aráldica, simboliza a Virgem Maria, mãe de Cristo e da Igreja; enquanto a flor de nardo indica São José, patrono da Igreja. Na tradição da iconografia hispânica, de fato, São José é representado com um ramo de nardo nas mãos. Colocando no seu escudo tais imagens, o Papa pretendeu exprimir a própria particular devoção à Virgem Santíssima e São José”, cita nota.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para mim... Caso você não tenha uma conta do Google e fizer seu comentário de forma anônima, não esqueça de deixar seu nome e seu e-mail para que eu possa entrar em contato com você!

PAZ & BEM!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...